Este plano de negócios busca aproveitar todas as oportunidades que surjam para que o clube tenha cada vez mais condições de não depender das receitas de bilheteria e de venda de atletas. A Copa do Mundo da FIFA é o grande propulsor deste planejamento, iniciado em 2002.

Segundo Jorge André Avancini, diretor executivo de marketing do Internacional, o clube já prepara novas ações para serem executadas durante o show do cantor Paul McCartney, no dia 7 de novembro, no Beira-Rio.

"Temos um plano de vendas para áreas nobres do estádio. Das 60 novas suítes, 30 já foram vendidas. E existem duas mil novas cadeiras VIP que serão disponibilizadas ao público. O show é mais uma oportunidade de fixar a marca do clube internacionalmente. E a Copa do Mundo traz tudo o que precisamos, desde a melhoria do complexo do Beira-Rio até a visibilidade que tanto buscamos no exterior", explica o dirigente.

O modelo que o Internacional tem como inspirador é do F.C.Porto. O Estádio do Dragão tem, atualmente, 250 dias de ocupação de seu complexo. O Beira-Rio, por exemplo, é utilizado em apenas 38 dias com partidas de futebol.

"É bom lembrar que nos demais dias do ano temos seguranças, luz, água, entre tantas outras despesas para pagar. Assim, precisamos manter o estádio em atividade durante o maior número de dias possível. Se nós conseguirmos explorar todo o nosso potencial, com hotelaria, clínicas, escritórios e um shopping, podemos ter atividade em mais de 200 dias por ano", diz Avancini, lembrando que o novo Beira-Rio terá uma área comercial para 70 lojas e um shopping de conveniência após a Copa do Mundo da FIFA.

Além do Beira-Rio, o Internacional pretende reformar o Gigantinho, ginásio com capacidade para mais de 10 mil torcedores, oferecendo outras oportunidades ao clube.