quarta-feira, novembro 04, 2009

INTERNACIONAL: Entreposto Comercial


Não tenho postado muito ultimamente e as razões são várias. Mas no texto abaixo acho que conseguirei dizer o porquê de não estar postando muito ultimamente e o porquê de eu estar postando agora apenas.

Vi agora pouco uma notícia de que o Giuliano pode ser vendido, assim como o Sandro já foi falado também e hoje de manhã veio a notícia que o Alan Kardec (que não é do Inter) pode ir, pasmém, pra Juventus. Postei isso abaixo no tópico sobre a venda do Giuliano e agora posto aqui como minha opinião para discussão, para não se perder a idéia.

Sinceramente, nada disso me surpreende.

Eu participava mais ativamente das comunidades do Inter no orkut, fóruns, listas de e-mail e do Clube como um todo, mas estou muito decepcionado com os rumos que o Internacional tomou. Vejam bem, estou decepcionado única e exclusivamente com os rumos que o Sport Club Internacional tomou, antes que algum oportunista venha se aproveitar da declaração para outros fins nada elogiáveis.

E a minha decepção maior foi ver que o Inter virou um entreposto comercial, onde vender jogadores é mais importante que conquistar títulos, mesmo com as reiteradas e famosas promessas do Fernando Carvalho e do Vitório Píffero de que precisávamos vender apenas "um jogador por ano".


Eu escuto essa história de que teríamos que vender um jogador por ano para fechar as contas desde que o Inter tinha 30 mil sócios. Fernando Carvalho dizia na época, como então presidente, que quando o Inter chegasse aos 50 mil sócios não precisaríamos mais vender jogadores. Me lembro de uma entrevista dele na Rádio Gaúcha em 2006 dizendo isso, no programa do Lasier Martins (Gaúcha Atualidade), naquele dia comandado pelo grande colorado Cláudio Brito.

Depois, na gestao Vitório Píffero, com vários canecos no armário (incluindo Libertadores e Mundial), escuto o atual presidente falar que quando chegarmos aos 70 mil sócios, contando os sócios do plano antigo e do atual, estaríamos perfeitamente equilibrados e não precisaríamos vender mais jogadores. Isso foi na época da venda do Pato (venda não, da compra unilateral dos direitos federativos do Pato pelo Milan, que simplesmente pagou a multa contratual e levou o guri embora, deixemos claro). Tínhamos 54 mil sócios na época.

No começo do ano passado, em abril de 2008 para ser mais exato, o Inter chegava aos 70 mil sócios. Era final do Gauchão, um pandemônio em busca de ingressos para a final e foi lançado a campanha "100 anos, 100 mil sócios" para o ano do Centenário, 2009. Nessa época, a grande motivação da campanha era justamente fazer o clube auto-sustentável, não precisando mais depender tanto da venda de jogadores e da TV como dependia. Para isso, precisávamos chegar em 100 mil sócios.

Pois estamos com 102 mil sócios, pouco mais, pouco menos, alguns inadimplentes, normal. Nenhum clube do Brasil arrecada mais com sócios do que o Internacional. E nenhum clube do Brasil vende tantos jogadores como o Internacional, mesmo tendo 102 mil sócios para bancar aumentos de salários e propostas do exterior.

Por isso, me sinto enganado, me sinto iludido, porque me disseram que em 2009 venderiam um jogador apenas para dar espaço para outro da base que estava surgindo, não porque o Inter precisasse necessariamente. Venderam, mas não trouxeram ninguém e o pior: dizem que com o time que está aí, fazendo fiasco atrás de fiasco, temos chance de ganhar título Brasileiro ainda e disputar a Libertadores do ano que vêm; e pior ainda: disseram que tinham que vender porque tinha que vender, precisavam do DINHEIRO para pagar as contas.

Que contas?

Eu até entenderia, sério, entenderia mesmo, se o dinheiro dos jogadores vendidos fosse ser usado no financiamento da reforma do Beira Rio.

Se tornaria ao menos compreensível essa desculpa, não me oporia em nenhum momento.

Porém, a desculpa é de que dinheiro do futebol não vai ir pra obra alguma. E o pior: a diretoria acha que vai reformar o estádio inteiro com dinheiro das vendas de suítes e da venda (empacada) dos Eucaliptos.

Passe a me questionar: se o dinheiro do futebol ficaria, em tese, no futebol, onde está indo todo esse dinheiro? Porque a última coisa que o Inter fez com o dinheiro da venda do Nilmar, Magrão, Alex e Edinho (para ficar nos que se foram em 2009) foi investir no futebol.


E não foi pouco dinheiro que o Inter recebeu na venda de jogadores esse ano, mesmo com eventuais parceiros que fossem donos dos passes desses jogadores.

Seria mais fácil se viessem com uma desculpa mais real, mais plausível, mais justificável. Dizer que estão investindo no futebol beira à piada de mal gosto com o sócio e com o torcedor.


Do jeito que está, as contas não estão fechando.

Uma mudança de rumos no futebol do Internacional é urgente e necessária.

OXIGENAÇÃO deveria ser a palavra de ordem para 2010.

Mais do mesmo (leia-se Fernando Carvalho & Cia. Ltda.) não está rendendo NADA.

DESTAQUES

ESPECIAL DO CENTENÁRIO:
História Colorada e Fotos Antigas

ENTREVISTA: Delegado Poppe

O INTER NA REVISTA PLACAR

POESIAS COLORADAS


 Clique aqui para adicionar o Supremacia Colorada ao seu leitor de RSS favorito!

ASSINATURA

Receba diariamente o Supremacia Colorada em sua caixa postal!

Cadastre seu e-Mail aqui!

Ou adicione direto ao Google Reader!
Clica Aqui!

CONTATO DIRETO


O Blog Supremacia Colorada é administrado por Tiago Vaz, Conselheiro do Sport Club Internacional. Para entrar em contato diretamente com o administrador do Blog, por favor envie um e-mail para blog.supremacia.colorada no gmail

Leitores e Amigos no Google+

COMUNIDADE


Participe da nossa comunidade no Orkut!

Translate

Marcadores